Carta aos Fornenses

O eleito da Coligação Democrática Unitária, Manuel Soares da Silva, bem como os elementos que compõem o coletivo desta coligação em Fornos, têmmantido, acima de qualquer dúvida, uma atuação pautada sempre pela clareza de princípios e por falarem verdade.

O nosso principal interesse ao estarmos na política local move-se pela defesa intransigente dos interesses da população Fornense e da freguesia enquanto território que a todos diz respeito. Provamo-lo, ainda recentemente, quando fomos os principais autores do “abaixo-assinado” que manteve a freguesia sem ser agregada à Feira, quando conseguimos angariar mais de 1500 assinaturas de eleitores Fornenses. Os elementos do PSD nem uma misera folha conseguiram preencher com assinaturas.

A CDU cumpriu o mandato que agora termina, numa Assembleia de Freguesia manietada por um partido, o PSD, que foi detentor de maioria absoluta pelo que, teve como principal tarefa fiscalizar a atividade da Junta como indica o estatuto de oposição. Mesmo assim fez-se democracia e foi por sugestão da CDU e isto após diálogo entre os 3 partidos com eleitos, que os Fornenses passaram a falar antes do período da ordem do dia, logo no início da Assembleia, o que não acontecia até então.

Mentiras podem-se dizer muitas mas verdade só há uma. De números fantásticos estamos nós cheios, o que os Fornenses querem na verdade é ver obra feita. Assim passaram mais quatro anos e as perguntas continuam as mesmas:

Quando deixaremos de ter uma Junta de Freguesia enterrada debaixo da Capela Mortuária? O que fizeram à primeira pedra do Centro Escolar colocada já lá vão oito anos por Alfredo Henriques? Quando será resolvida a situação criminosa da rua Armando Pinto de Assunção? Quando será o dia em que teremos direito a um Infantário com Berçário? Em que dia e ano veremos o “Transfeira” a circular por Fornos como já faz em Sanfins? Quando é que teremos uma carrinha de apoio social a carenciados e idosos? Como foi roubado o camião da Junta de Freguesia?

Mas a grande mentira é sem sombra de dúvida aquela que o PSD realizou ao promover o seu líder, Luís André,a presidente de Junta a meio tempo, passando este a ganhar 610,43 € mensalmente, duplicando o valor que auferia o presidente anterior e saindo este valor do orçamento da nossa Junta de Freguesia. Para quê, perguntamos nós, se ninguém o vê?

P’la CDU FORNOS

Manuel Soares da Silva